Avançar para o conteúdo principal

Piquenas estórias de amore VII



- Olha, o passarinho. ri-te, vá lá.
- Ri-te tu, antes. Diz qualquer coisa engraçada.
- Digo o quê?
- Sei lá, qualquer coisa.
- Está a gravar, senhor? Quando formos grandes, seremos artistas, sabe?
- Sim. Filmamos já os outros meninos. Ainda haveremos de ser artistas.
- Mas como, se não temos aquela geringonça?
- Olha, assim. 
- Com as mãos no ar?
- Sim. Depois vamos ali ao coreto e treinamos os teatros. 
- Posso cantar?
- Podes fazer aquela coisa de cantar. És tão tapada. 
- Tu fazes aquela em que tens os braços abertos e desces os degraus, a sorrir. 
- Faço pois, e tu cantas. Se fizermos muitos teatros e muitas canções, e se convidarmos toda a gente, depois podemos ir à mercearia da D.Laura comprar caprisonnes fresquinhos.
- E aquela coisa que tira retratos, quando compramos?
- Não sejas trenga. Fica séria, agora. Mas depois tens de cantar, sim? Vais ver, quando tiveres óculos escuros é que vai ser. 
- Tens cá umas manias. Isso não pode ser só teatro. 
- Chiu, cala-te agora. Fazes umas danças e cantas. Entro depois e deixo-me salvar pelo artistinha. Caio desmaiada nos seus braços, mas tudo a fingir, entendes? Está pouca gente no jardim.
- E quem vai ser o artista, falamos com o TóJó a ver se ele quer?
- Quando chegar Agosto vai ser melhor que isto. 
- Mais gente? Os meus tios chegam da França.
- Estás com ranho. Cala-te e olha para a frente. Amanhã fazemos outra vez aquilo de correr até à estação, combinado?
- Levar com o vento do comboio na cara, gosto tanto. E o TóJó, pode vir connosco?
- Não, o TóJó não pode vir. Só eu e tu. Temos moedas que cheguem. Podemos é ir de bicicleta até à praia, ver quem fuma mais cigarros. Vamos até ao fim do pontão e escondemo-nos atrás do rochedo azul.
- Que nojo. Não gosto quando o papá me dá beijinhos desses. O bafo dele cheira ao café do Ti Antunes. Pode ser que esteja bom tempo de tarde. Posso cantar na areia para os turistas, e tu pões uma toalha às costas e fazes de conta que és uma princesa em perigo.
- Tola! O vento atira-te areia para a garganta e não consegues cantar. E eu não posso fazer teatro com a toalha velha do meu irmão às costas. Tem dois buracos.
- O TóJó empresta-te a dele. A dele é bonita, tem uma menina bonita em biquini.
- Chiu, não digas trenguices. Já te disse que ele não vai connosco. Só vamos nós as duas para o cinema.
- Se calhar, antes disso, ainda vamos à nossa vida, estudar e assim. Mas depois, está bem. Podemos brincar aos filmes só as duas. Como hoje. 

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…