Avançar para o conteúdo principal

O Coração Abstracto



Procuro que o sublime,
jamais nos encontre
ou tenha a audácia de entrar
sozinho, para dentro de mim.
Às vezes, pelo mar dentro entro eu
e levo-te, confiante, só com uma vela na mão.
Tropeçamos nos nossos próprios gigantes
e lá atrás explode-nos inteiro o céu
num refulgente clarão.
Abro uma recta com as pernas a nadar
ao meu lado, lutas contra tudo de que nos despedimos
e ao longe automático, já se reduz
o pó mirabolante destes nossos instantes.
No mar também faz falta uma luz

mas as velas ardem todas até ao fim
e o mar ri-se e todo ele nos envergonha.
Os dias melhores para fugirmos, 
passam-se assim, longe de ser esta a nossa cruz.
Nesta praia abandonada
fazem-se desenhos em segredo
a areia, ao amor serve de fronha
e a poesia levanta-se da espuma, por mera devoção.
Aqui nos agarramos com dedos e ilusões
a nada sério que se entenda
são dias a brincar
como a letra trauteada de uma canção.
Fugimos ainda, ensinados pelo medo
os dias anteriores, caíram tão fora de moda
que ainda há quem os procure
para os meter usados, numa venda.
Os melhores dias destes dias do
tempo do nosso desterro
são coitadinhos, andam contados, andam à roda
e ninguém os quer ver a olho nu.
Nos melhores dias limpámos o chão
nos outros, percebemos o erro
de fugir pelo mar dentro, assim tão mal iluminados.

"Todos os Fogos são Fevereiro"


Homem e Mulher - Pablo Picasso

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…